Cena Constante

Eu sou Maria
Tenho quarenta e oito ano
Viúva e mãe de cinco cria
Trabaio desde os dez ano
Há dezesseis sou faxineira e diarista
E me orgulho desta vida vigarista!
Sozinha, cada fi crescido meu foi pra um lado
Sozinha não; Deus é sagrado!
Já fui usada, roubada, humilhada, mas insisti
Terminei a escola ano passado;
Eu resisti
Pouco do que tenho muito soei
Aprendi a ganhar quando me doei
Triste mesmo foi ver o Orácio
O mais véio, de vinte e sete Continue lendo “Cena Constante”