O Circo do Terror

É muito difícil libertar um povo que vota para ser escravo. Um povo sem memória de sua própria história. Um povo que nem sabe o nome de seus bisavôs e bisavós; Como, quando e porquê partiram. Um povo laico que não compreende a própria cultura e até pensa que não tem cultura. Um povo 46% crente num Deus egocêntrico e charlatão que, ao invés de pacificar, toca o terror nas minorias. Continue lendo “O Circo do Terror”

laicolorido

“Nosso Brasil laico precisa saber: Saraus são mais honestos que muitas Igrejas! O Sarau é o culto divino confiável, acolhedor e libertário para o Ser que almeja evolução espiritual. Para malhar o corpo, exercícios físicos diários; para mantê-lo, alimentação de qualidade; para eternizá-lo, faça arte.”

 

Diego Rbor

Dêgo (Para minha avó)

Minha amada avó, hoje é sábado, dia de paz no meu universo. Como a senhora bem sabe, sábados me lembram você. Porque a minha infância quase toda foi assim: acordar cedinho para passar o fim de semana ao teu lado e do vô. Dona Vanda tornou nosso encontro tão natural que é cultural para mim: netos mais próximos de suas avós e de seus avôs. Continue lendo “Dêgo (Para minha avó)”

Eu Gosto do Vento

Adoro a chuva
Essa ‘chave da renovação’
Que faz brotar vidas
E em mim idéias

Luva e frio
Isso de proteger coração
Pra abraçar vidas
E com elas ideais

Eu gosto do vento

Rezo para que meus irmãos
Tanham alimento
Pra forrar a barriga
Empurrando a lida
(Com sabedoria) Continue lendo “Eu Gosto do Vento”

Loquaz Introvertido

Meu tempo é algo precioso. Esta certeza me proporciona apenas mergulhos profundos. Eu não aceito perder tempo com coisas rasas, ou me perder por multiversos rés…  Continue lendo “Loquaz Introvertido”

Borges Lagoa

Filas de automóveis nas avenidas. Ocos pilhados estão em transe
Félas que se movem, mas não se comovem
Trânsito principalmente nos pensamentos
e infelizmente nada de imaginação 
Enquanto isso a Juca Mulato emerge a paz,
inda oito da manhã
Valor do tempo percebe quem é audaz,
voa para o sagaz
num mundo onde preço versus valor das coisas,
isto me corrói a mente e aproxima de um cais
Contudo luto até no luto deste país sem conjunto
Apesar de achar aqui tão lindo, lindo demais
…Tirando tudo o que é cinza;
Todas as cores só, eu não gosto;
Vim das misturas de Deus;
E sou cruel comigo,
mas fiel, respeitoso e honesto
Da vida, sou outro artífice,
que envergonha caretice,
choco burrice
entedio tolice
sem pegar em armas, fuck the police
outros venenos que lesionam raciocínios da cidade
O meu território é o conhecimento
O meu arsenal é você, atento
Pensaram que eu não duraria e quiseram me arrastar,
mas aprendi com Marina dançar conforme a lei do ar
Tudo aquilo que tentou me atrasar
descobriu em seu fim que eu sou o meu maior perdurar
Certos artistas me apontam pra tempos que podem durar.

(Diego Rbor)

 A ARTE LIBERTA! ® 2016.2018 Todos os direitos reservados © diego rbor