Trans Formação

Enquanto preparava o almoço
Nerinho veio sussurrante me chamar
Era uma borboleta em nosso quarto
Entrou enquanto ele se exercitava
Pairamos na beleza da grande preta
Tão bela, tão livre, toda parada
Na beira da cama ela descansava
Reinando em nossas retinas e pensamentos
Veio afirmar a trans formação……….
Estamos no meio de um caos global
E encontramos na vida a solução

Pensei em pegar o meu livro depressa
Existe uma poesia feita para Vanessas
Antes de eu recitar, ela foi embora
Confirmando que é poesia a qualquer hora
Desde seu nascimento até ser mensagem
Dos anjos valentes que vivem de passagem
A proteger eternamente quem tem fé
O que buscamos no céu está bem no pé
Nós temos asas, são poucos os que vê
Olhamos tanto pra cima querendo voar
Fácil é querer amor. Difícil é saber amar

 

Conheça as bibliotecas de São Paulo

Um filme de Cris Costa sobre as bibliotecas públicas de São Paulo. Eu participo contando a minha relação histórica com a Erico Verissimo, localizada na minha comunidade, periferia zona noroeste da cidade.

Assista, conheça o trabalho da nossa gente batalhadora que busca um Brasil melhor e digno para todes:

 

Insignificante

O mundo lá fora está cada vez mais seco
Sem tempo para as minhas sensibilidades
Olhares já passam pelo meu corpo invisível
Nem parece que eu faço artes, escrevo, leio
Nem parece que eu amo meu semelhante
Meu sorriso torna suas normalidades caretas
Percebo que minha graça tanto faz como tanto fez
Meus abraços, ontem demorados, hoje ligeiros
Chocam rostos que nem a chuva o chão

Minha kalimba toca a dor do meu coração, Continue lendo “Insignificante”

aceito cartas

hoje eu dei gostoso
um tempo pras redes anti sociais
agora vou poder ler e criar mais
estudar e me resguardar pra vida
que não têm bis, é memória ativa

vou usar e abusar
fazer história pro futuro contar
sou marginal, sou herói
sei o peso da vida e o que me dói Continue lendo “aceito cartas”

Das Letras

Réveillon dois mil e vinte eu me permiti
Vim pra São Thomé das Letras e não quero mais sair
Fui bem recebido pela Paulina
Almoço de doze conto é uma obra prima
De sobremesa, a geleia de sua neta Marissa
Meu sinal de que estou na estrada certa… Continue lendo “Das Letras”

Somos Muitxs

Quando comecei a escrever, com doze anos de vida, eu não sabia que aqueles textos eram poesias marginais. Um dia, furiosa e sem valorizar arte na vida, minha mãe me puxou no médico afirmando que eu estava doente por não querer sair do quarto, escrevendo. O armário começou a fechar aí. Nas excursões escolares eu raramente podia ir, pois não tinha grana pra pagar, mas em parques de diversão meus amiguinhos faziam rateio e quando dava eu ia. Um dia, numa excursão que a escola fez à Pinacoteca de São Paulo, fiquei de fora. E sem internet eu ficava imaginando como seria a Pinacoteca. Mente pe ri fé ri ca é osso, mas depois que se abre, não volta a seu tamanho original.

Dois mil e dezenove está sendo um ano testador de resistências artísticas e culturais:  O país empobreceu, em quase todos os sentidos. Mas na arte a lama vale ouro! Continue lendo “Somos Muitxs”