Trans Formação

Enquanto preparava o almoço
Nerinho veio sussurrante me chamar
Era uma borboleta em nosso quarto
Entrou enquanto ele se exercitava
Pairamos na beleza da grande preta
Tão bela, tão livre, toda parada
Na beira da cama ela descansava
Reinando em nossas retinas e pensamentos
Veio afirmar a trans formação……….
Estamos no meio de um caos global
E encontramos na vida a solução

Pensei em pegar o meu livro depressa
Existe uma poesia feita para Vanessas
Antes de eu recitar, ela foi embora
Confirmando que é poesia a qualquer hora
Desde seu nascimento até ser mensagem
Dos anjos valentes que vivem de passagem
A proteger eternamente quem tem fé
O que buscamos no céu está bem no pé
Nós temos asas, são poucos os que vê
Olhamos tanto pra cima querendo voar
Fácil é querer amor. Difícil é saber amar

 

Outra Realidade nas bibliotecas públicas

Escrevo desde os doze anos de vida. Quando comecei a escrever, eu nem sabia que aqueles textos eram poesias. Poesias de um coração marginal. Eu soube o que era poesia pouco tempos depois, na escola, quando xs professorxs de português me estimulavam a escrever.

Um índio gay oriundo numa tacanha e importante periferia da maior cidade do imenso Brasil: a periculosa Taipas, localizada no arranha-céu da noroeste megalópole. Tenho sorte de ter nascido aqui. Tenho mania de achar ter sorte por simplesmente ter nascido e sentir o que sinto.

Deserdado pelos amigos da infância, o meu afeto foi transferido para a fauna, flora e seres que buscam mais do que meras aventuras no existir. A poesia me fez observar melhor a existência de tudo; questionar sem medos; cidadão crítico; pensante e realizador. Meu livro de poesias chegou nas bibliotecas públicas:

DSC05464

Acredito fielmente que somos todxs guerreirxs. O que nos diferencia são as nossas lutas.

Poesias são gotas de luzes capazes de lavar até a alma da gente! A única coisa mais potente são banhos em cachoeiras desertas.

 

Diego Rbor

Maria Isabel

“Maria Isabel vive longe daqui… E lá, nem a internet a alcançou ainda.
Nos comunicamos por memórias e através de cartas.
Sim, por cartas e lembranças.
Há trinta e cinco anos enviamos cartas uma pra outra!
Há trinta e cinco anos eu não a vejo, minha melhor amiga desde criança… Continue lendo “Maria Isabel”

Sevirologia: A arte de se virar

José Soró é um dos arquitetos da nossa boa cultura periférica

Nascido nos anos 60
Brasileiro, cresceu nos braços do povo e pelo povo lutou
Por nós, povo
Pelo imenso valor de nossa simples cultura

Guerreou pelos direitos humanos e
Venceu usando o caráter e a coragem como armas principais
Um artista em prol da sabedoria de um povo Continue lendo “Sevirologia: A arte de se virar”