Dêgo (Para minha avó)

Minha amada avó, hoje é sábado, dia de paz no meu universo. Como a senhora bem sabe, sábados me lembram você. Porque a minha infância quase toda foi assim: acordar cedinho para passar o fim de semana ao teu lado e do vô. Dona Vanda tornou nosso encontro tão natural que é cultural para mim: netos mais próximos de suas avós e de seus avôs. Continue lendo “Dêgo (Para minha avó)”

Querido Ente

Ele era daqueles velhos ranzinzas, que quando sorria guardava os dentes
Bebia, fumava… Bebia, implicava…
Bebia e reclamava
Não demonstrava tanta graça pelos seus entes
Gostava de si mesmo
e de muito cinismo!
Viu pouco o pôr do sol Continue lendo “Querido Ente”

Yohanna

Brasileira originária
Morena modesta
Ancestral e moderna
Tropical
Como o raio de sol matinal
Marginal
Desperta os filhos, as flores e o amor próprio
Para bons programas, melhor companhia não há
É boa até pra solidão
Lê livros e não fuma nada
Embora traga o melhor de si Continue lendo “Yohanna”

A naturalidade das coisas

Todo ano tem fevereiro
Por isso sem desespero!
O importante é ser luz
Valorizar as glórias naturais
~A naturalidade das coisas~
::Quando menos se espera o amor chega
::Quanto mais cê se liberta o amor fica

Continue lendo “A naturalidade das coisas”

Mundo de Oz

Diziam parentes que você era um ser desajustado para esta sociedade conservadora.
Ao passar os fins de semana e várias das minhas férias ao teu lado, pude provar que é o contrário: a sociedade que está super desajustada pra viver seres puros como você.
A primeira vez que fui pra São Vicente, foi contigo e tia Ivone. Várias lembranças boas marcam a tua existência no mundo e em meu coração: quando você alugou um barco onde remamos as minhas primeiras léguas marinhas e tiramos muitas fotos, mas eu falhei na hora de colocar o rolo do filme e nenhuma imagem foi registrada; ou quando tatuava pessoas e eu admirava, vislumbrado com aquele talento todo, tendo você como uma referência visual. Lembro quando defendeu a tia de uns caiçaras machistas valentes; depois defendeu a família contra aqueles inquilinos perturbadores, ali eu conheci um super herói de verdade. Continue lendo “Mundo de Oz”

Outros Ouros Tolos

dichavando
Estamos em dois mil e dezessete e ainda tem gente criticando as gorduras e/ou as estrias da gente;
Estamos em dois mil e dezessete e ainda tem gente homofóbica, racista, dissimulada na cara dura, que aproveita a tecnologia para deturpar as informações no dia a dia;
A humanidade percorreu, até a data de hoje, mais de 735.900 passos e ainda não aprendeu nada do que realmente importa e eis a prova de fato: não evoluímos em uníssono!
Ainda rolam guerras de poder, à fim da igualdade se foder; o capEtalismo, em alta, carrega as mídias de poder; o desmatamento, a criminalidade, o tráfico, a opressão, as milícias… Políticos visam o ter e não o ser, políticos apaixonados por números. Não é demagogia os gritos a Temer!
Artistas que antes contribuíram pra nossa evolução (que na visão política é utópica) atualmente sofrem com o preconceito com a idade e criatividade;
Os pedestres, em sua maioria, se estranham fora do rebanho e quando se esbarram, se medem sem se ajudar;
Falta TEMPERANÇA, falta BENEVOLÊNCIA;
O motorista, que leva inúmeras vidas, diariamente, não recebe o digitalizado e popular ‘bom dia’ da maioria embarcada sob sua responsabilidade. Mal o olham na cara! Continue lendo “Outros Ouros Tolos”

Abril, meu amor!

Sonhei com o amor e realizei você. És minha realidade incidida nos instantes da felicidade. Muito seu me encanta: sua história de vida, seu nome, suas danças…
Eu tenho a liberdade e quero a responsabilidade de viabilizar o melhor pra nós, no nosso estilo. O melhor para nós e consequentemente a quem nos rodear. Que sejam bons e do bem! Os momentos ruins, porém, eu sei que virão, então saiba, bebê: Continue lendo “Abril, meu amor!”

Glória Capital

Hoje eu acordei refém do preconceito.
A minha atitude de amar alguém do mesmo sexo, e não temer isso, parece enclausurar a mente dos infelizes.
Penso: quem realmente é feliz não bloqueia o ato de amar o próximo, seja como e quem for.
Nas ruas, as pessoas sacaram por bem e por mal que o amor não tem fronteiras, e ele segue firme e forte e corajoso.
Já nos lares o amor é limitado; Continue lendo “Glória Capital”

ratos

ratos de porão é pura libertação!

ratos na rua é sujeira da nação!

ratos trajados é a manifestação da maldição!

pm
Texto: diego rbor \ Fonte Imagem: flip paralizante

 

A ARTE LIBERTA! ® 2017-2018 Todos os direitos reservados © diego rbor