Sem Teto: Mulambe Coragem!

Num sol de 34º na fervente São Paulo,
Passando de ônibus na ponte Mutinga,
Da janela observo, logo ali na calçada,
Alguém que dorme totalmente cobertx,
Na única sombra que uma árvore faz; Continue lendo “Sem Teto: Mulambe Coragem!”

Dica Secreta de Avó

Se a igreja é um lugar sagrado
por ser a casa do menino Jesus,
Por que é que vai muito diabo
se contorcendo diante da cruz?

Que saí de lá e fala mal da vida alheia,
Não ajuda os necessitados e só pentelha…
Dentro de casa olha pra rua; na rua anda de cara feia!

Por isto que eu digo o lema secreto de minha avó: Continue lendo “Dica Secreta de Avó”

Enrustidos Não Passarão

Há uns dias atrás, passando pela rua com meu namorado, trombei dois distantes colegas meus aqui do bairro, um deles eu não via a muito. Cumprimentei-os com um salve ligeiro, eu e meu amor. Apenas um deles nos saudou, até aí tudo bem, ninguém é obrigadx a responder uma saudação. Mas após alguns passos adiante, ouvi o outro (o que eu não via a muito), dizer em alto e bom tom: “…Eu não! Jamais eu falo com viado!“.

Demorou mais alguns passos para cair a ficha do que escutamos. Parei. Continue lendo “Enrustidos Não Passarão”

Dê Pressão!

Babilônia nata
Babilônia mata

Paga carro pra sobreviver
Paga caro pra morrer

Esse povo é top:

Quanto custa cada quadrado?
Quanto peso tem seu concreto?

Não posso plantar a erva
em meu terreno
Porque o bico sujo dedura
o mato que me cura

O mato cura! Continue lendo “Dê Pressão!”

Macho Pai

Temos pais fracos. Temos pais sem educação. Que ejaculam filhos pra depois cuspir na educação. Pátria.
Paíszinho miserável, herdou a frase Filhx da Puta como xingamento só para tirar o peso das costas do imprestável PAI. Continue lendo “Macho Pai”

Livro Sem Fim

Um dia, passando as férias escolares na casa de meus avós maternos, no Jardim Peri, acabei me desentendendo com uma prima de terceiro grau que eu mal conhecia (coisa de crianças pré aborrecentes) e de noite recebi o seu telefonema, furiosa, do outro lado da linha me contou um segredo de família que eu não sabia, ela disse: “BIXA, VOCÊ É ADOTADO!”. Continue lendo “Livro Sem Fim”

Somos Muitxs

Quando comecei a escrever, com doze anos de vida, eu não sabia que aqueles textos eram poesias marginais. Um dia, furiosa e sem valorizar arte na vida, minha mãe me puxou no médico afirmando que eu estava doente por não querer sair do quarto, escrevendo. O armário começou a fechar aí. Nas excursões escolares eu raramente podia ir, pois não tinha grana pra pagar, mas em parques de diversão meus amiguinhos faziam rateio e quando dava eu ia. Um dia, numa excursão que a escola fez à Pinacoteca de São Paulo, fiquei de fora. E sem internet eu ficava imaginando como seria a Pinacoteca. Mente pe ri fé ri ca é osso, mas depois que se abre, não volta a seu tamanho original.

Dois mil e dezenove está sendo um ano testador de resistências artísticas e culturais:  O país empobreceu, em quase todos os sentidos. Mas na arte a lama vale ouro! Continue lendo “Somos Muitxs”