A.M.E. (Que Bom Foi Resistir)

Que bom foi resistir…

As goteiras são a própria chuva a renovar este lar
de discos no alto tal qual as estrelas do céu
Pranchas que me relembram altas aventuras no mar
Tambores preenchem o silêncio do peito teu

Somos um bloco com pegada de escola
Quem te recebe é o Zeca, o Bob e o Cartola
E uma gente simples
Liberta pela arte que no coração bateu

No carnaval, precisa ver a magia no ar… Continue lendo “A.M.E. (Que Bom Foi Resistir)”

Cena Constante

Eu sou Maria
Tenho quarenta e oito ano
Viúva e mãe de cinco cria
Trabaio desde os dez ano
Há dezesseis sou faxineira e diarista
E me orgulho desta vida vigarista!
Sozinha, cada fi crescido meu foi pra um lado
Sozinha não; Deus é sagrado!
Já fui usada, roubada, humilhada, mas insisti
Terminei a escola ano passado;
Eu resisti
Pouco do que tenho muito soei
Aprendi a ganhar quando me doei
Triste mesmo foi ver o Orácio
O mais véio, de vinte e sete Continue lendo “Cena Constante”

Rubi 7

Bom dia Estação inverno vozes meus passos velozes e os meus olhos ferozes atravessam a cidade trens trilhos ruídos altos muros fortes grades grandes grafites caixas de eletricidade fios passarela escada Estação casa ponte parque rio cargas carcaças postes andaime trator fumaça vapor estação asfalto plantas madeira pedras carros fixos lixos portão fluxo luxo felino papelão bilhete Estação placas canos ferros caídos buraco tubo areia túnel árvore fogueira passagem sacos iluminadores pilhas corrente frio e sol até a Continue lendo “Rubi 7”

Borges Lagoa

Filas de automóveis nas avenidas. Ocos pilhados estão em transe
Félas que se movem, mas não se comovem
Trânsito principalmente nos pensamentos
e infelizmente nada de imaginação 
Enquanto isso a Juca Mulato emerge a paz,
inda oito da manhã
Valor do tempo percebe quem é audaz,
voa para o sagaz
num mundo onde preço versus valor das coisas,
isto me corrói a mente e aproxima de um cais
Contudo luto até no luto deste país sem conjunto
Apesar de achar aqui tão lindo, lindo demais
…Tirando tudo o que é cinza;
Todas as cores só, eu não gosto;
Vim das misturas de Deus;
E sou cruel comigo,
mas fiel, respeitoso e honesto
Da vida, sou outro artífice,
que envergonha caretice,
choco burrice
entedio tolice
sem pegar em armas, fuck the police
outros venenos que lesionam raciocínios da cidade
O meu território é o conhecimento
O meu arsenal é você, atento
Pensaram que eu não duraria e quiseram me arrastar,
mas aprendi com Marina dançar conforme a lei do ar
Tudo aquilo que tentou me atrasar
descobriu em seu fim que eu sou o meu maior perdurar
Certos artistas me apontam pra tempos que podem durar.

(Diego Rbor)

 A ARTE LIBERTA! ® 2016.2018 Todos os direitos reservados © diego rbor

UNA Flama

Que não pensa duas vezes e dá um jeito nas coisas. Se enfeita depois sai pra ver a lua. Chora e sorri. Despe-se de nós, corre e fica nua, se entrega e diz ser tua. O que você quiser: Homem, mulher… Continue lendo “UNA Flama”

Carnificina Brasis

vitimas do escárnio da polícia brasileira
MATA MATA MATA MATA MATA
depois questiona o dono das tais digitais
BANG BANG BANG BANG BANG BANG
mundo acaba em fogo: atingidos pelas balas
Verde Anil Amarelo Cor de Rosa e Carvão
com marcas de sangue pisado pelo rato cinza ladrão
de vida, morte e vida, dormir e acordar, acordar e ir Continue lendo “Carnificina Brasis”