animal

certos corpos me prende o olhar dos pés à cabeça boca bunda voz olhos de acanhar. aguça-me ganha-me adivinha sagaz capaz de me render prender suar molhar cueca óculos pêlos pintas. vestido desejo nos despir. ensejo atenção. como dizer não. qual cheiro terá o corpo desse ar doce tal qual pensa meu imaginar. e esse formato seu tão meu que também almeja me tocar. que o arrepio viva poço de sentidos compaixão sudorese sangue saliva olfato apurando tesão. pelos poros através do límbico cada gota de líquido que rola dos olhos nariz ou da minha rosada rola a gozar em temperança dentro tuas entranhas de quatro. lábios a morder ao lembrar você foder. meu fogo arde chama incendeia e não te queima. duas espadas numa luta sexual animal racional.

diego rbor A ARTE LIBERTA! ® 2015 Todos os direitos reservados ©